Para o meu sol.

Tudo era breu.
O céu escureceu
e desabou uma tempestade.
Águas que me inundaram.
Naufraguei.
Perdi minhas armas
e escudos.

Eu morri.
Juntei cacos de mim espalhados pelo chão.
Sobrevivi,
mas eramos só o céu e eu.

Daí que a vida me chamou pra dançar:
Encontrei um arco íris.

Mudei o caminho de casa
dancei na chuva,
sorri para ganhar sorrisos e, então,
um sol apareceu pra mim.

Sol da manhã, meio acanhado.
Tímido.
Com aquele sorriso sincero,
Escondendo suas mãos
na mesa do bar.

Era tão você.
Pude ser tão eu.

Perdi o rumo,
as palavras,
a rima.

Avassalador.

Meu dia ensolarado não é perfeição,
é identidade.
E esse sol faz parte do meu universo.

Me vesti de sorrisos,
Ganhei uma rosa branca.
Floresci.

E cada dia da minha primavera tem você, meu sol.
Me ilumina, me esquenta – se encaixa, assim, tão junto.
Tão igual, tão bom
Tão leve, tão nosso.

Gosto de viver esses dias ensolarados,
apaixonados,
sinceros,
cansados
e nossos.
Do jeito que a gente quiser.
Quero um jardim inteiro com você!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s