Bendita

Vejo a cidade, pequena
Cabendo no peito o mundo
Escreveu um recado, poema
Dançando num teatro mudo

No peito enroscam palavras
Na boca um conto, um canto
No canto, na esquina, na sentença
Um coração vagabundo

É na rua que rugem os sentidos
Da sílaba síntese serena
Verão pessoal
Na coluna vertebral
Uma salsa, um sorriso e sal

Enroscando mãos, pernas e instintos
Saliva, cantiga e carnaval
Aqueceu o cangote da pequena
Noite de pecado capital

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s